Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica



  • Página Inicial

Entidades estudantis aproveitam Fórum para discutir movimento

AddThis Social Bookmark Button

altUma oportunidade ímpar para reunir estudantes de todo o país, trocar contatos e experiências. Foi isso o que se viu na tarde desta quinta-feira (31), durante encontro promovido pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e União Catarinense dos Estudantes (UCE) no II Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica. “Aproveitamos toda essa mobilização e estrutura do Fórum para promover o encontro”, contou o presidente da UCE, Dérique Höhn, estudante de Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), lembrando que as duas entidades também usaram os próprios contatos com redes sociais, grêmios, centros e diretórios acadêmicos para convidar os estudantes para o encontro, previsto há cerca de três meses.

Antes de propriamente partilhar experiências, os presentes assistiram a uma breve apresentação sobre a estrutura e a história do movimento estudantil no país, com destaque para os episódios que tiveram os estudantes como protagonistas, a exemplo do período da ditadura militar e os movimentos “Diretas Já” e “Fora Collor”.

Para uma plateia predominantemente integrada por alunos de cursos técnicos dos Institutos Federais, os representantes da Ubes falaram também sobre as principais bandeiras defendidas pela entidade no momento: 10% do PIB nacional e 50% do fundo do pré-sal para a educação. “Outros pontos que defendemos são o passe livre para estudantes, valorização dos professores e que os estudantes participem mais de seus fóruns de discussão”, disse o tesoureiro geral da Ubes, Pedro Henrique Santos, do Rio Grande do Norte.

Ele conclamou os presentes a reproduzir os debates desse encontro em cada uma das escolas representadas e mobilizar seus colegas para se associarem em grêmios e outras entidades. “Além de fome, sede e trabalho duro, o que temos a oferecer a vocês é a oportunidade de novos horizontes e de criarem dentro de si novas perspectivas”, acrescentou o matogrossense Gabriel Antunes, também militante da Ubes.

Um desafio recorrente apontado em grande parte dos depoimentos dos estudantes presentes foi a falta de interesse de seus colegas de escola pelo movimento estudantil. “Não temos grêmio e tentamos organizar, mas há muito pouco interesse dos alunos”, relatou o estudante do Instituto Federal Fluminense (IFF) Lucas Silva. Ele apontou, ainda, como empecilho a tentativa da direção de seu campus de atrapalhar a iniciativa.

Vindo da cidade de Açailândia, o estudante do Instituto Federal do Maranhão Ruan Gaspar é um novato no movimento estudantil: há poucos meses está à frente do grêmio estudantil de seu campus e da união dos estudantes secundaristas da cidade. Chegou ao encontro cheio de expectativas, querendo aprender com os colegas mais experientes. Ele queria saber, por exemplo, como eles conseguem conciliar a participação nos movimentos estudantis com os estudos. “Às vezes, o pessoal me vê apenas como presidente do grêmio, aquele que vai resolver todos os problemas, mas eu também sou estudante”, desabafou Ruan. (Juliana Paiva)

Receba as Novidades do Fórum em seu e-mail.